quarta-feira, 13 de agosto de 2014

MÁSCARA, LAMENTO, LOUCURA

Tem dias em que me imagino com alguma demência mental, onde me parece que eu seria mais feliz. Vivendo num mundo só meu, alheia ao mundo "real".
Tenho a sensação que os loucos são mais felizes, não há medo, não há imposições, não há limites. Em minha insanidade o chamado bullying não me afetaria, viveria sem me prender a regras, meio que eu estaria num incrível mundo de Bob.
Sei que as desvantagens existiriam, mas eu viveria bem habitando em minha loucura. Os meus sentimentos, ou melhor, os sentidos seriam outros e acredito que não me fariam tanto mal, estaria livre da angústia, da ansiedade e da confusão as quais me atormentam.
Sinto-me distanciando das pessoas, e quando as tenho por perto não sou eu por completo, sempre me protejo usando uma máscara para não ser descoberta a minha fragilidade. E a todo momento quero que me vejam bem, jamais me lamentando, afinal quais seriam os meus lamentos? Isso me perguntariam e me julgariam pela frente ou pelas costas, e mais questões me atormentariam.
Sim, isso é bem louco. Será que já estou entrando em processo de loucura? Acho que ainda não, afinal ainda tenho consciência do que estou pensando, somente não sei até quando.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

FOTOGRAFAR

Um ser invisível com a visão do todo. Ainda estou engatinhando no mundo da fotografia, e estou experimentando sensações como a de me tornar a mais discreta possível ao "invadir" cenas para captar o melhor momento, aquilo que deve ser o centro das atenções.
A visão do fotógrafo capta aquilo que não pode ser visto no ato, e que foi perdido no momento em que aconteceu, e de repente algo mágico foi apreendido pela lente, pelo olhar rápido, pelo clique infalível.
É muito engraçado estar do outro lado, fazendo parte de algo, mas de um ângulo diferente. Como estar numa cerimônia religiosa, mas com outro tipo de visão, enquanto todos estão parados e focados  num só lugar, eu devo andar e focar em tudo que deva ser registrado.
Somente quem ama a fotografia consegue compreender, digo isso porque mudei muito o meu olhar através das lentes, passei a enxergar coisas que antes me eram imperceptíveis, comecei a buscar detalhes, ampliar a minha mente, enxergar melhor o belo e o feio.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

FINGIR

Há dias que não quero falar com ninguém, apenas ficar em meu mundo e falar comigo mesma. Afinal, somente o meu eu poderá "compreender" as minhas loucuras. Mas como vivo em sociedade devo fingir.
E lá vou eu, criar um personagem que finge ser eu. Finjo que estou bem quando me perguntam, tento dar respostas que não gerem perguntas e não façam o meu personagem desabar, pois ele deve permanecer afável e simpático. As falas devem ser curtas e precisas, o tempo todo interpretando um humor irreal. De vez em quando poderá sair uns sorrisos verdadeiros, mas no mais sairão os sorrisos falsos, aqueles que me livrem de qualquer interrogação do meu interlocuto.
É isso! Tem dias que só desejo falar sozinha, sem gracejos e sem confusões que não sejam minhas. Quando há outras pessoas a minha volta tenho que controlar os meus fantasmas, uma tarefa que que algumas vezes é árdua.
E por essas e outras para mim torna-se mais fácil fazer a mulher invisível, e esse é o meu melhor personagem. Através dela fico na espreita, de olho em tudo, e ao mesmo tempo em nada. Quem me conhece sabe que dou aquelas minhas "stalkeadas", as vezes em quem me interessa. E faço isso para me certificar onde estou pisando, ou entro em lugares nunca dantes navegados, e vou parar bem distante. Consigo ir bem longe, fazendo vôos bem distantes, aliás sou bem avoada. 
Deve ser por isso que mantenho essa minha armadura, meu personagem, pois não quero dar explicações do mundo que é só meu, os meus mimimis, os meus blábláblás são somente meus.
Como ainda não tenho um analista fico com o meu personagem, a fake Ana que se isola e finge que está tudo bem, e dessa maneira vou vivendo.

sábado, 3 de maio de 2014

DANÇAR COM PAR

Nem lembro se já relatei que sou uma pessoa descoordenada, desastrada e afins. E agora comecei a fazer dança de salão, e está sendo uma luta!
Sempre fui frustrada por não conseguir dançar como a maioria das mulheres, dançar com alguém. Até consigo me virar quando estou sozinha, arriscar uns passos doidos e dar uma sambadinha, mas quando um homem tenta me conduzir, ahhhh meu amigo...cuidado com os pés! Sou lerda para aprender, só depois de um bom treino que os passos saem.
Se é pra girar para esquerda, vou para a direita, se é para ir para fora, eu vou para dentro, e desse modo consigo deixar os passas mais difíceis. Tinha que ser a Ana!!!
Apesar dos pesares, estou aprendendo e com muita luta (quem diria?!). O suor está rolando e muito, ainda não cheguei as lágrimas, mas não duvido.
Sei que hoje fiquei muito feliz por ter aprendido como fazer alguns giros no forró é na gafieira, daí eu vejo claramente que sou a típica nerd, péssima em contato corporal (voltado para a dança), e um desastre em esportes coletivos, disso eu desisti faz tempo e não pretendo insistir, melhor continuar cornetando de fora.
Enfim, a dança de salão foi um dos desafios que me propus a fazer em 2014, e somente sossegarei quando estiver riscando o tablado na gafieira. Preciso ter orgulho de mim dançando, vencerei esse desafio, basta de desistir daquilo que eu desejo.
Para alguns a dança pode não ser algo necessário, e entendo já que cada um tem as suas prioridades, e para mim é essencial saber dançar. Quando acerto os passos, sinto-me nas nuvens, parece que vou para outra dimensão, os problemas somem, e sinto aquele cansaço gostoso, aquela satisfação de ter feito algo bonito, ao menos um pouco de alegria no recinto.
Vem dançar comigo!

sexta-feira, 25 de abril de 2014

NÃO QUERO NADA

Bipolaridade? Talvez, mas só por hoje eu não estou a fm de nada e nem de ninguém. Nem de paparicos por atenção, ou outra coisa qualquer.
Não quero saber de aventuras, mas somente de mim. Quero ficar com a minha paz, distante do que não me agrega nada e daquilo que me fará mal.
Hoje não estou a fim de nada, nem do que se passa ao meu redor, bem distante de intrigas e de cantadas baratas. 
Cansada de pedreiragem com segundas, terceiras, quartas e quintas intenções.
Sem saco para joguinhos de palavras, frases de efeito e blábláblá.
Não estou a fim de trocar ideia, ler ou ouvir elogios, ou o raio que me parta.
Não quero cafuné, afago ou abraço, somente ficar com a minha solidão, já que ela é a minha única e maior companheira, e comigo estará até a morte.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

ESCOLHAS?

Seria mais simples acionar um botão on/off para gostar ou desgostar de alguém, mas infelizmente não é assim. Já conheci pessoas bacanas que gostaram de mim, mas não pude retribuir o sentimento já que não sentia o mesmo, e quando isso acontece o melhor é não insistir e continuar enganando ambos.
Não adianta insistir, já tentei fazer isso mais de uma vez, mas o coração não deixa, faz com que eu me sinta mal e desse jeito acabo magoando a pessoa se persistir. 
E para mergulhar num relacionamento não é necessário apenas ter afinidades, gostos parecidos, já que essas coisas eu tenho com amigos, então o que mais é necessário? É preciso ter paixão (claro!), aquela vontade louca de estar junto, sentir saudade, ter a química no beijo, sentir aquele arrepio,e quando não se tem isso fica impossível prosseguir.
Não há como obrigar o seu corpo a sentir o desejo, a tal química! O outro pode ser a melhor pessoa do mundo, mas se não tem aquele "Q" que atrai instiga, excita...nada irá me fazer persistir, pois eu preciso sentir, qualquer um precisa sentir o mais e não o menos.
Para não machucar ambos, o melhor é escolher o ficar sozinha.

terça-feira, 8 de abril de 2014

MINHAS "SIMPLES" LOUCURAS

Sinto que ainda preciso me encontrar, partir sem olhar para trás e sozinha. Preciso desbravar o mundo, um lugar que eu me identifique, ou qu seja totalmente novo e com outras pessoas.
Tenho essa necessidade que me atormenta de sempre querer conhecer mais, descobrir um outro "pôr-do-sol", um outro tom de mar, uma outra vegetação, um outro concreto, outros sabores de frutas, outros temperos, outras misturas, outras filosofias.
Quero uma nova roda de violão, todos os ritmos de músicas que me fazem dançar, pensar, sorrir ou chorar.
Quero outros sotaques, outros idiomas, todos os tipos de peles, novos abraços, e novos beijos que me tragam arrepios e excitação.
Preciso de novas paixões que sejam humanas, que sejam da arte, da culinária ou da natureza.
Quero outros olhares, quero experimentar o que ainda não conheço, quero adentrar em cavernas, descer corredeiras em um rio, tomar banho em cachoeiras, ver o nascer do sol do alto de uma pedreira, dançar e rodopiar enquanto a neve cai em meu rosto.
Quero deitar na grama e ver pássaros e borboletas voando, quero ir pra cima de um telhado e ver o cair da noite e apontar para as estrelas.
Quero tomar um belo banho de chuva, quero tomar aquele banho de mangueira quando estiver aquele calor infernal e sorrir sem me preocupar com nada.
Só quero ser feliz fazendo as minhas pequenas ou grandes loucuras.

sábado, 5 de abril de 2014

A HORA DA DESPEDIDA

Não sei lidar muito bem com despedidas, desde pequeno fui acostumada a ver amigos partirem. Já não tenho mais contatos com os amigos da infância. Desde que me entendo por gente morei em casa  própria, e a garotada da vizinhança morava em casa alugada, além disso a maioria D as crianças da escola moravam nas casas da vila dos funcionários da Minerva/Guilherme Giorgi, pois os pais trabalhavam nas fábricas. E como o tempo foi passando essas fábricas acabaram demitindo os seus funcionários, e  devidos aos altos impostos na cidade acabarm indo para algumas cidades do interior que ofereciam incentivos fiscais.
E com isso acabei vendo a vila sendo demolida, pois as casas e os terrenos que pertenciam as fábricas foram vendidos para as construtoras, essa região que mora era um lugar de fábricas têxteis e por isso foi denominado Jardim Têxtil. 
Claro que na época, eu não tinha muita noção do siginificados dessas fábricas para a região, e só via as pessoas partirem e casas e prédios sendo construídos, mas hoje vejo o mal disso tudo, já que empregos no bairro que já eram poucos tornaram-se ainda mais escassos, além disso perdeu-se qualidade de vida porque as pessoas não se estressavam no trânsito para chegar ao trabalho, já que moravam ao lado.
Eu pude acompanhar as casinhas germinadas sendo demolidas, e junto com elas lembranças de amigos se foram, lugares onde brincava e fazia trabalhos de escola, tudo se foi sem que eu pudesse me despedir.
As minhas despedidas sempre ficam em aberto, sempre falta algo para dizer...como um vácuo

sexta-feira, 4 de abril de 2014

TEM QUE TER LIGA

Taí uma coisa que deve ter para que as coisas fluam:  LIGA! Se não existe liga entre duas pessoas não há nada que dê jeito, pois não adianta só uma pessoa curtir.
Por essas e outras admiro as prostitutas, porque com certeza não é nada fácil fingir. Gente?!?! Nem beijo consigo disfarçar já que fica evidente que não gostei, e se o beijo não deu aquela arrepiada pode ter certeza que as pegadas e o etc e tal (principalmente) não irão acontecer.
Comigo o cara ter grana não funciona, não me dá tesão algum carro, jóias, viagens ou qualquer coisas dita "bacana" que seja se eu estiver com alguém que não role a química/física/gramática/língua e afins, e quando isso acontece torno-me uma pessoa insuportável, e fica claro que não estou gostando de nada,  Para ficar de boa numa situação desses tem que ter muito tesão por dinheiro, e eu não consegui isso.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

O SUFOCAR

Estou numa fase em que estou mais livre, aberta para conhecimentos, novas amizades e fortalecimento das já existentes. Estou saind de uma fase ruim, e não estou segura para iniciar um relacionamento "forçando a barra", vacilei algumas vezes por me deixar levar, e amigos me cobraram por isso e com razão.
Sempre desconfio dos homens, e hoje vou com mais pé atrás do que nunca, por essas e outras gosto de manter o meu espaço e não gosto de homem que me sufoque, que deseje a minha presença constantemente arggghhhh....eu gosto de ter o meu lugar para respirar, pensar.
Já levei pés na bunda suficientes na vida, portanto, nenhum homem irá me sufocar e se tentar fazer isso irei escapar.
Namoro é completamente diferente de casamento, lógico! E num namoro eu não preciso estar com a pessoa todos os dias, agora se rolar esse desejo de ambos, aí sim parte-se para um casamento.
Paixão avassaladora é legal até um certo ponto, mas é bom que se mantenha um controle disso, ou poderá virar uma doença, ou isso acabárá e quem acreditou nisso (geralmente acontece comigo) irá sofrer.
Por essas e outras prefiro me manter racional, já passei da idade das apaixonites. E entrei em 2014 bem consciente quanto a isso. As pessoas para conquistarem as outras constroem uma personalidade falsa muitas vezes, mais um motivo para eu analisar e não deixar me enredar facilmente em histórias do "eu quero te fazer a mulher mais feliz desse mundo"(e homem que vem com essa conversa já chega mentindo). 
Chega de embarcar em canoa furada, aliás nem entro mais hahahaha verifico antes de embarcar.
E se tentar me sufocar, já sabe: ADEUS!!!!

terça-feira, 1 de abril de 2014

HOJE EU TENHO VOZ

Ontem foi um dia que para variar dei o meu pequeno "piti" (e foi segunda-feira hahahaha e claro que algo iria acontecer). Com os ingressos em mãos para a mulherada ir ao cinema, todas contentes na aprazível tarde se segunda, entramos no Cinemark antes do horário da sessão, para assim escolhermos uns lugares bons, e assim aguardamos pelo início do filme.
E como é de praxe lá vem bombardeio de propagandas e trailers de filme, só sei que foram mais de vinte minutos até que o filme começasse, e estávamos lá para assistir S.O.S. Mulheres ao Mar, no entanto quando começou o filme, uns rapazes que estavam na minha fileira começaram a dizer que aquele era outro filme, o Entre Nós, e que eles haviam acabado de assistir, logo foi iniciado o alvoroço na sala. E lá vai a tropa para o lado de fora fazer as reclamações. E eu pra variar, já cheguei no corredor esbravejando, caçando os funcionários, gerente, sei lá, e o pior era o povo achando que estava na sala errada e queria ir para a outra sala! Oi? Esse povo não sabe ler?! Estávamos na sala correta e se fossemos para a outra sala iríamos sentar um no colo do outro? Questão de lógica! Simplesmente o responsável pela projeção errou o filme.
Enfim dei o meu piti, e fico impressionada como as pessoas não falam, não reclamam. Gente, como assim? Se ninguém reclama estaríamos lá assistindo um filme pelo qual não pagamos e achando que fomos nós quem erramos. As pessoas não tem noção ainda de seus direitos, e graças a Deus não sou mais aquela menina tímida que se escondia na sala de aula e tremia ruborizada quando precisava falar em público. Não vou dizer que ainda não tremo ou ruborizo, mas hoje eu tenho mais medo de ficar calada, e é o que me dá mais coragem de soltar a minha voz.

segunda-feira, 31 de março de 2014

POR QUE ODEIO SEGUNDA-FEIRA?

Não sei vocês, mas a segunda é o dia que geralmente acontece alguma zica comigo. Sempre me recordo de algum problema que ocorreu numa segunda.
Qual o dia da semana que eu caí e tive um entorse, onde um ligamento foi rompido? Numa segunda!
Qual foi o dia que rolou uma falha monstro no metrô e fiquei mais de 40 minutos esperando que os trens voltassem a circular? Na segunda!
Qual o dia que eu acordo de péssimo humor porque o meu time foi desclassificado? É a segunda! (No caso hoje 31/03/2014 o meu Palmeiras foi desclassificado, e sim estou piutíssima com isso).
Qual o dia da semana que está mais distante do final de semana? A segunda!
Citei apenas alguns motivos que me fazem detestar esse dia da semana, pois se eu for procurar acharei bem facilmente outros itens.
Enfim, acordei mal humorada hoje.
P.S.: e na hora que fui publicar o meu post o sinal 3G sumiu hahahaha como não odiar?!

domingo, 30 de março de 2014

CONFIAR DE NOVO?

Voltar a acreditar que algo será diferente? Para mim é bem difícil, continuo com o pé atrás quanto a me relacionar com alguém, pois tudo começa lindo e maravilhoso, e então vem o desastre, e lá vou eu tentar me refazer de novo.
Há momentos em que fico bem cansada de tudo isso, a cada apego que eu tenho e depois chegar a fase do desapegar novamente é bem triste, por isso estou com bloqueio quanto a me entregar totalmente em um novo relacionamento.
Cada vez que quebro a cara o medo é maior, "ah mimimi você não deve pensar assim"...ah meus queridos só quem sabe do meu histórico sou eu, e quem tem um histórico parecido ao meu é quem poderá dizer algo. Sim, é claro que eu desejo estar com alguém de verdade, mas estou bem resistente quanto a isso.
Posso tentar, estou tentando, mas sempre bem desconfiada, e sem acreditar piamente em qualquer homem que seja, nem que ele se apresente como um anjo de candura, o perfeito e etc e tal (que aliás não existe), o qual uma hora apresentará o seu defeito.
Já estou bem escolada em homens que me dão um pé no traseiro sem que eu esteja preparada, posso dizer que no momento estou me colocando realmente em primeiro lugar. Quando eu tiver a certeza que poderei me entregar totalmente isso acontecerá de modo natural, e se eu quebrar a cara que esteja mais preparada para tal ocorrência.

sábado, 29 de março de 2014

SAMPA FOTOGRAFIA: A NOSSA BIPOLARIDADE

Ultimamente tenho tentado fotografar tudo aquilo que o meu olhar aprecia, e também aquilo que não acho bacana, mas o que prefiro expor mais são as coisas que realmente gosto.
Quem me conhece sabe o quanto reclamo dessa minha cidade, São Paulo, tão fria, tão imponente, tão arrogante, tão constrastante, tão bipolar e acabei herdando características dela hahahaha terrível admitir, mas tenho as qualidades e defeitos dela, o ódio ao estresse e a correria, o amor a arte e a culinária tão farta. E somente através da fotografia comecei a reconhecer os detalhes que muitos vezes escondidos escondem a beleza dela. Já que muitas vezes o feio se destaca,  uma triste realidade de pessoas morando nas ruas, um cenário feio e destruído com pessoas corrompidas, mas ainda assim existem aqueles que cuidam dela.
Já desisti muitas vezes de Sampa, mas nunca consegui deixar de amá-la. Já tentei fechar os meus olhos pra tentar me manter saudável, mas não há como fechar os olhos e se calar deixando-a ser destruída.
Por essas outras continuarei fotografando essa minha terra concretada, e ativa não me calarei diante daquilo que não a deixe evoluir.

sexta-feira, 28 de março de 2014

HOJE TEM: PASTEL

Como não dá pra falar de rabugices, falarei também de coisas que considero boas, ao menos pra mim, e me dão um enorme prazer.
E não sou fina, classe A, portanto gosto de muitas coisas simples, principalmente para comer e uma das coisas que sou viciada é pastel. Sendo tradicional, não sou muito do doce e prefiro o recheio salgado, e como quase todos.
Os meus preferidos são o de carne, queijo, pizza, bauru, palmito, frango, portuguesa e afins, pois hoje temos uma infinidade de recheios que é bem difícil me recordar.
E o bom disso é comer o pastel "in loco", lá na feira com todo aquele clima, barulho, sei lá, curto demais! E sem contar a rapidez no pedido, pois o negócio é ligeiro, e quem em São Paulo não gosta disso? Se fosse pra escolher uma comida/aperitivo que representasse o paulista...eu votaria no pastel. Esse pastel nosso de cada dia, impossível resistir a ele.

quinta-feira, 27 de março de 2014

GOSTAR DE CERVEJA

E só de lembrar que um dia já odiei o aroma da cerveja e hoje aprecio imensamente, chega a ser cômico.
E não consigo recordar em que momento exato eu comecei a beber e gostar, somente hoje sei que não consigo deixar de experimentar todas as variações, lembrando que sou uma amadora nessa arte cervejeira.
Os pubs são bons lugares para se encontrar umas cervejas diferentes, mas ultimamete tenho frequentado o bar/cervejaria Asterix, localizado na Alameda Joaquim Eugênio de Lima (travessa da Av. Paulista), pois além do atendimento ser de primeira ao entrarmos e darmos de cara com aquelas prateleiras parece que estamos num parque de diversões  tamanha a infinidade de cervejas, e como não conheço absolutamente nada fico totalmente perdida.
E outra coisa boa do lugar é que tem sempre alguém que conhece bem cerveja e ao lhe ver perdido começa a lhe dar umas dicas,'e isso é bem bacana, desde que você não encontre um chato pela frente hahahaha mas até que tive sorte e as indicações que estou recebendo foram ótimas.
Como não aprecio muito as amargas estou experimentando as frutadas, e creio que as mulheres que dizem odiar cerveja se experimentarem essas poderão mudar de opinião.
E as cervejas trapistas? Essas realmente são feitas por mãos abençoadas, afinal são monges que as produzem. E posso dizer que a trapista é de se beber rezando.
Obrigada paladar por ter alterado o meu gosto! Viva a cerveja!

quarta-feira, 26 de março de 2014

PARTE 5: O QUE ME ESTRESSA?

Voltando as minhas rabugices, lá vou eu citar mais uma coisa que me estressa: que programem o que farei sem me consultar.
"Ah então Ana, você vai fazer isso e mais isso tal dia."Epa! E não estou me referindo a trabalho, pois se não for algo além será mais do que minha obrigação cumprir, mas falo em relação aos meus horários de folga. Amigos ou parentes meus não tem o direito de me colocarem em algo sem que me seja perguntado antecipadamente e se eu posso participar, pois eu já posso ter algo programado. E quando essas coisas acontecem me irritam demais, e já corto. Afinal tenho ao menos um pouco de domínio sobre a minha vida, principalmente nas minhas horas livres.
É isso! Em horário de folga quem faz o meu horário sou eu.

terça-feira, 25 de março de 2014

APITAÇO NO METRÔ

E cá estou eu saindo do Twitter e indo dar a cara para bater (sem violência) na luta por um transporte público melhor.
Quem me segue no Twitter vê o quanto eu reclamo de falhas dos trens do metrô, falta de informações, além da falta de educação dos usuários. E nada é fácil, pois alguns sei que me ridicularizam, e outros dão apoio total. Só que não consigo ficar passiva vendo o transporte público cada vez pior, e eu em minha zona de conforto, nos teclados, sem exigir ao vivo o que desejo não só para mim, mas para todos.
O apitaço no metrô, realizado em 24/03/3014, iniciado na estação Sé foi o começo de uma luta que precisava de vozes e caras. Queremos um transporte público de qualidade, essa é a nossa luta.
Agora falo por mim, não levanto qualquer bandeira política, e quem quiser que o faça, mas qualquer que seja o governo que esteja no poder irei exigir o melhor, se houver erros não irei amaciar, e se houver acertos irei elogiar, mas na medida, pois se fez promessas o mínimo é que essas obrigações com a população sejam cumpridas.

segunda-feira, 24 de março de 2014

PARTE 4: O QUE ME ESTRESSA?

E como eu sou ranzinza tenho que continuar com o tópico. E o que mais me estressa numa segunda-feira? O metrô em horário de pico, pense num caos!
E como eu já odeio segunda-feira acaba acontecendo algo pra variar, ou é algum trem que falha, ou usuários do transporte que não tem educação alguma.
Quando acontecem as falhas e atrasos, algumas vezes ficamos sabendo o que está acontecendo e outras ficamos no vácuo, e assim o tempo vai passando e o estresse vai aumentando.
E quando temos os seres mal educados? Pessoas que ocupam espaços que caberiam três pessoas, gente que fica parada em frente a porta e nem pedindo licença ela sai do lugar, povo que discute por qualquer coisa, pessoas que te atropelam pela plataforma ao desembarcarem do trem. As pessoas viram uns robôs e vão no automático sem redução de velocidade e pra não ser atropelado você tem que seguir o mesmo ritmo ou andar com um escudo, aqueles de soldados romanos, sei lá é muita loucura!
E ainda me lembro que no ano passado tive um desmaio por conta desse estresse todo. Enfim: Spartaaaa!!!!

domingo, 23 de março de 2014

PARTE 3: O QUE ME ESTRESSA?

E agora a terceira parte de coisas que me estressam: pessoas que falam alto. Como é incomodo estar em qualquer ambiente, seja aberto ou fechado, e ter alguém falando alto, berrando.
Pessoas que falam alto ao celular, isso é bem comum, e fico pensando o por quê disso? A pessoa seria surda, não sabe colocar o celular no lugar certo para poder escutar ou gosta mesmo é de chamar atenção? Mil coisas passam pela minha cabeça, mas antes disso sou obrigada a saber qual a conversa que o fulano está falando, pois não há como não ouvir, já que não ando com protetores auriculares (nota mental: comprar protetor auricular).
Além desse povo que fala alto ao celular, também temos os adolescentes com as meninas gralhas e as suas vozes de taquaras rachadas em companhia dos meninos maritacas. Gente!!!??? Como adolescentes curtem chamar a atenção quando estão em bando, e não percebem o papel de idiota que estão fazendo. Eles parecem macaquinhos em zoológico fazendo suas micagens para ganharem bananas...enquanto isso ouvimos em cada frase: 10 tipo assim, 20 meuuuuu, 100 manos, 100 minas, 150 e aí véio?. Conversas incríveis com histórias sensacionas paras serem ouvidas aos berros, só que não hahahahaha
Ok! Sei que sou ranzinza hahahahaha mas haja saco para aguentar isso diariamente! Com isso vejo que não teria talento para ser professora do ensino médio.

sábado, 22 de março de 2014

PARTE 2: O QUE ME ESTRESSA?

E lá vem a segunda parte do que me estressa: o chamado grude. Como gente grudenta me irrita, haja paciência! O mais irritante é homem grude e cheio tatibitate, e não consigo suportar esse cuti cuti.
Gosto de ter o meu espaço, fazer as minhas coisas e não preciso que a pessoa fique em minha companhia 24 horas. É gostoso estar junto, compartilhar? Sim, mas não o tempo todo.
Tem horas que desejo estar somente com os meus amigos, o namorado pode ser incluído no grupo, mas os meus amigos já estavam lá antes e existem papos que não se compartilha com o namorado, pois é sou dessas. Posso ser chata, mas é isso!
Egoísmo? Creio que seja, mas se faz necessário. Não acho legal ficar numa bolha com a mesma pessoa o tempo todo e quando essa bolha estourar? Sabemos que nem tudo é eterno, e principalmente nos relacionamentos de hoje (vamos cair na real!). Portanto, não me queira como uma bonequinha, pois não serei. Tenho a minha própria, e como sou especialista em levar pé na bunda...não deixo as minhas amizades e as minha coisas de lado.
Enfim é isso...prosseguirei amanhã com a parte 3.

sexta-feira, 21 de março de 2014

PARTE 1: O QUE ME ESTRESSA?

Vou começar a postar aqui algumas coisas que me estressam por partes, e
quem me conhece ou me acompanha já sabe de algumas delas de tanto eu reclamar. Irei começar por uma que não é necessariamente a principal, mas que me estressa um bocado e não é culpa de ninguém que fique bem claro!
Então vamos ao whatsapp, e o que acontece?
Já cheguei a citar que muitas vezes acontece de ninguém estar me chamando num horário e em outros terem 10 pessoas querendo falar comigo ao mesmo tempo, e é aí que entro em desespero porque respondo e já vejo que a pessoa começou a responder e vem outra pergunta e lá vem os outros pra responder de novo, e isso começa a me lelembrar do messenger (MSN) que eu aposentei antes dele cair em decadência porque passou a me estressar, pois aquelas janelas piscando na tela e o pessoal desesperado por atenção e exigindo resposta imediata começavam a me fazer surtar.
Voltando ao whatsapp, acabo usando ele mais à noite assim como a maioria o faz, e quando ficamos naquilo o tempo passa muito rápido e deixo de fazer coisas que havia programado em casa, daí tem uma hora que deixo no vácuo mesmo é sem importar quem seja, ou se for ficando dando explicações para todos perderei mais tempo e não sairei dali.
E o povo que fica de olho na ultima visualização ou se você está online? Hahahaha
Sobre a mensagem "visto pela última vez" desmarquei essa opção já faz uns meses, pois ninguém merece esse tipo de marcação cerrada. Haja saco!
E quanto ao online? É impressionante, basta eu entrar que vejo gente digitando algo pra mim hahahahaha como que o povo controla quem está online? Oi? Eu mando mensagem sem nem ver se a pessoa está online, e ela que me responda a hora que quiser ou puder, já que é assim que gosto que façam comigo, portanto, não me cobrem respostas imediata. Obrigada!

quinta-feira, 20 de março de 2014

DESPERTAR

De repente aquele tempo que parecia infinito, cheio de tristeza e mágoas, começa a passar e os sentimentos ruins vai ficando para trás.
As lágrimas secam, já não há mais como caírem, e quem te fez triste passa a não ter mais importância e vai ficando para trás...bem bem distante.
Daí começo a comparar o ontem e o hoje, o quanto desacreditei que pudesse superar, mas começo a sentir o "meu despertar", é como um renascimento. Claro que esse renascer não vem com tudo novo, ele vem com um conhecimento e uma carga muitas vezes pesada, um coração meio endurecido, mas vem bem que é o principal. 
E como é bom despertar de novo! Sentir que não sou um lixo humano, sou reciclável hahahahaha ao menos enquanto estou viva. Apesar dos pesares tenho apreço pela vida.

quarta-feira, 19 de março de 2014

HOMENS QUE BROTAM?

Não sou nenhuma modelo, nem forma espetacular de beleza, mas há fases em que surgem homens interesados em mim, entretanto,  acabo não sentindo  um interesse real, como se eles não me dissessem nada. Não me dão arrepios e nem taquicardia. Fico sem vontade de rever. É! A paixão não foi despertada, nem à primeira vista e nem à segunda.
Não sei se isso acontece por causa das porradas que já levei da vida, acho até que pode ser porque o coração dá aquela endurecida, o que acredito ser normal. 
Só desejo que os sentimentos surjam no momento certo, e sem fazer a pior escolha.

terça-feira, 18 de março de 2014

O MAIS E O MENOS

Cá estou eu em momentos controversos, uma hora eu tenho muito e outra não tenho nada parece que é de propósito e acabo sendo repetitiva. E assim sigo confusa.
Essa vida faz graça da nossa cara, como diria a personagem Elise (Alabama Monroe), pois nada chega certo para mim, já que sempre há escolhas a serem feitas. Há fases em que não há homens interessados em mim, e outras que há alguns e e complicado decidir isso. Decidir quem me fará bem é que irei gostar de verdade? Só sei que nada sei, e deixo a vida "engraçadinha" me levar.

domingo, 16 de março de 2014

LEMBRAR x ESQUECER

O que preciso lembrar eu esqueço e o que desejo esquecer sempre lembro. Que droga! Por que não conseguimos comandar as emoções? Seria tudo tão mais simples, mas não! Tem que ser tudo tão complicado.
Então passo dias assim em que não me lembro de datas, aliás acho ótimo! Acabo não sendo a chata que pega no pé por datas, mas esqueço todos os tipos de datas, exceto as principais que aprendi na escola quando estudava História.
Frases que gostaria de lembrar nem me vêem mais a mente, pois tenho que anotar tudo, mas frases que me machucaram acabam se tornando inesquecíveis.

PREGUIÇA DO MUNDO

Tem dias que não estou a fim de falar com ninguém. Um dia onde a paz se faz necessária e só quero conversar comigo e mais nenhum ser. 
Aquele dia que me dá preguiça do mundo, e somente eu consigo me entender, minhas fantasias e eu, minhas rabugices e eu, minha carência e eu, minha maluquice e eu..curtindo o meu amor por mim.
Ainda bem que desapego de tudo, exceto de mim. Xô depressão!
Estou num momento que preciso entender o que se passa ao meu redor, sem grandes pressões. Levei algumas porradas e o cérebro está em recuperação, algumas atitudes tomei e percebo que mudei coisas em mim, tanto externa quanto internamente. É como se eu precisasse me transformar para não me lembrar o que eu estava sendo, e consequentemente assim acabo apagando momentos passados.
Por isso preciso ficar só e me auto analisar, assim consigo entender se estou fazendo o certo, se é o que eu quero e também avalio quando devo cometer alguma estripulia (que também se faz necessária, pois é que também dá mais graça a vida).
Enfim é isso...curto muito o dia em que fico só, cuidando da minha pessoa.

sábado, 15 de março de 2014

SOBRE PROMESSAS

Cada vez acredito menos em promessas que me fazem, e para não ficar apegada a essas coisas finjo que acredito no que me dizem. Já que existem pessoas que acreditam nas promessas que fazem, eu sigo fingindo, pois cansei de acreditar e somente dou crédito para quando realmente a "promessa" se comcretiza.
O que eu já ouvi de promessas não cumpridas dá pra colocar numa encoclopédia de A a Z, e taí uma das coisas que aprendi a não fazer promessas e juras, sempre penso "quem promete em demasia, cumpre de menos" e "quem jura sempre, algo de errado tem", juramentos desnecessários não me inspiram confiança assim como as promessas.
Promessas, juras e as suas enrolações eternos...não tenho mais tempo para me estressar com isso. Cada um que continue com as suas fantasias e eu finjo que acredito nelas.

sexta-feira, 14 de março de 2014

CAIR NA ESTRADA

Cair no mundo, essa é uma vontade que existe em mim há tempos. Não consigo me satisfazer com o que vejo, pois preciso chegar nos lugares onde ainda não vi.
Vejo pessoas que passam a sua existência numa mesma rotina de "casa, trabalho, buteco e casa", e nunca consegui entender a  vida como sendo somente isso. Desde criança sempre gostei muito de viajar, de ir apreciando paisagens diferentes pelas janela, além de conhecer pessoas novas, uma comida diferente.
A bagagem adquiridas com viagens não há dinheiro que pague, pois não há como se tirar essas lembranças da nossa memória.
Sei que neste momento estou com mais força para ir em busca desse sonho e cair na estrada. Será que finalmente eu viajarei pelo mundo? Assim seja, estou preparada!

quinta-feira, 13 de março de 2014

AMIGAS CIUMENTAS?

Não sei vocês, mas eu tenho amigas ciumentas. E como lidar? É muito, mas muito complicado! Acho que consigo administrar, mas dá um trabalho. Por vezes tenho que poupar coisas que uma fala, ou o que farei em conjunto com uma delas para que a outra não tenha ciúmes. Sinto-me sem saída algumas vezes, talvez seja porque não tenho TPM e seja mais fácil lidar com o meu temperamento, e por conta disso sou eu quem fica no fogo cruzado,'tento levar ao máximo numa boa só que há horas que estressa, pois parece birra infantil. Aguento os mimimis porque amigas(os) estão para qualquer coisa, mas há momentos que: haja paciência!!!
Procuro evitar de falar o que vou fazer com outra para não rolar a crise, mas tem horas que não dá é solto hahahaha poxa vida! Parece que sou o "homem" da relação, aliás não coloquei isso como algo machista, mas vamos combinar que nós mulheres somos mais dadas aos mimimis.
Enfim é isso! Tem que ter jogo de cintura para administrar a ciumeira. 

quarta-feira, 12 de março de 2014

ARRISCAR

Chegou finalmente a hora de partir para algo que me interessa e irá me ajudar a crescer.
Sempre é tempo! Voltar a estudar, adquirir mais conhecimentos e cair no mundo da melhor maneira possível.
Medo devo ter, mas não de arriscar! Preciso sair do marasmo em que estacionei e voltar a caminhar: expandir.
Chega de ficar para trás!

segunda-feira, 10 de março de 2014

MULHERES E SUAS PERSONAGENS

Tem horas que me vejo horrorosa, a cara da bruxa da Branca de Neve, e outras que me sinto a miss universo, uma amazona nível Mulher Maravilha.
E aquela minha fase de Mulher Gato com jogadas sensuais e roubadas históricas, sempre buscando ou fugindo.
E os meus dias de Gata Borralheira? Só no rodo e na vassoura e com a cara da derrota, faxinando para esquecer.
E tem aquela semana que me sinto a Lois Lane, no Planeta Diário, escrevendo feito uma louca e esperando um Superman, o perfeito que talvez exista ou não.
E a Mary Jane, toda descolada, quem nem dá bola pro Peter Parker, toda encantada pelo Peter Parker...e ainda meio sem saber o que quer, ou quem quer.
Também tenho dias de Hera Venenosa com atitudes venenosas, desejando envenenar alguns seres que me atormentam a vida.
E quando estou Vampira? Não posso encostar em homem algum, ou sugarei toda a energia

LIBERTAR-SE

Não consigo entender pessoas que vivem um relacionamento falso. Vivem brigando, já não tem mais planos em comum, mas ficam lá juntas. 
Sei que podem existir mil fatores, mas é melhor viverem infelizes juntos ou felizes separados? Consigo "entender" o povo mais antigo que mantinha um casamento, mas cara?!?! Estamos em 2014 e num mundo ocidental, onde as pessoas se separam mais facilmente. Mas é realmente aquilo: somos nós quem criamos os problemas e não queremos cair na real, e talvez seja mais comido viver na farsa.
Talvez eu não entenda lhufas, afinal nunca fui casada, mas é isso que sinto.

domingo, 9 de março de 2014

FOTOGRAFAR

Existem coisas que estão em mim desde a infância, e uma delas é a fotografia. Como sempre fui tímida e isolada ao sair procurava olhar os detalhes e ainda sem câmera tentava registrar os melhores momentos na mente. 
Até que consegui a minha primeira câmera analógica e comecei a registrar pessoas e lugares. Gosto muito de fotografar paisagens, cenários, esculturas, pinturas, artes, curiosidades. Pegar um momento mágico, ou um detalhe que ninguém consegue perceber na cidade porque está sempre andando apressado.
Eu, Ana, com uma câmera na mão consigo ficar mais atenta, focada...como se ela fosse uma extensão do meu corpo, e não deixa de ser pois ela amplia o meu olhar, e não há nada mais fantástico do que isso: a visão amplificada.

sábado, 8 de março de 2014

MUDANÇA EXTERNA E INTERNA

Vivo um momento de mudanças, estou "meio" perdida, mas até que está bacana. Sentimentos que se vão, uns que ressurgem e outros nascem.
Conhecendo pessoas novas, outros lugares, adquirindo mais conhecimentos, e quem diria? Estou me aventurando nuns trabalhos artesanais hahahaha pintando caixote de feira e fazendo colagem com papel contact pra mudar a cara das coisas, dos objetos e também de mim. Afinal, ao fazer coisas que eu jamais fiz...significa que também estou mudando e não somente os móveis e a decoração. Resolvi me aventurar até na decoração de unhas, mas claro que sem exageros artísticos, pois só estou fazendo o básico, e isso significa que a minha vaidade para coisas as quais não ligava também está mudando. Aliás, tenho muito disso de querer conhecer o novo, experimentar. Existem coisas que jamais vou gostar, tipo cebola (risos), entretanto dependendo do preparo até consigo comer. Sou sem frescurars, e por isso não tenho medo de me aventurar. 
Só sei que essa Ana está diferente, ao menos um pouco, e como disse o meu fisioterapeuta: inquieta!

sexta-feira, 7 de março de 2014

E AGORA?

Mais um ciclo chega ao fim. Já esperava que fosse acontecer, porém se antecipou.
Uma outra direção a seguir, uma nova busca e que ela vá de encontro ao que realmente almejo.
Estar em algo que valha a pena, faça-me viver, e não sobreviver. Não quero aquilo que me entristeça, enfraqueça e envelheça a minha alma.
Quero novamente o desejo de acordar cedo todos os dias sabendo que farei algo que me enobreça, produza com vontade, e ao final do dia esteja cansada,
mas com um leve sorriso no rosto de "fiz hoje como eu queria".
Ah a vida! Que nos próximos dias eu encontre o algo que me falta e que mantenha a vontade de ir a luta.

quinta-feira, 6 de março de 2014

NO PEDESTAL

Existem coisas difíceis de lidar como quando te colocam num pedestal. Eu, particularmente, sinto-me encabulada e intimidada, pois as pessoas parecem que nos enxergam como um ser "superior", perfeito e etc e tenta agradar de todas formas, o que não deixa de ser bacana. Mas há de se ter um controle para que a pessoa não perca a noção da realidade e nem você acredite que seja superior e fique mal acostumado.
Equilíbrio! Sim, ele é mais do que necessário.

quarta-feira, 5 de março de 2014

A PREGUIÇA

Nos últimos meses apesar de estar em atividade, fazendo várias coisas, ando com uma preguiça do mundo.
Uma vontade de dormir, dormir, dormir (tudo bem que estou fazendo isso pouco) e ficar sonhando, sonhando é sonhando.
Quando chega um determinado horário da noite começo a ficar em isolamento, não tenho vontade de ouvir, de ler, de escrever ou de falar com alguém. E só quero deixar que o sono chegue e tome conta de mim, exclusaente ele. Aquele descanso físico, mental e espiritual que se faz necessário.
E então a ele me entrego e apago...ah essa preguiça!!!

terça-feira, 4 de março de 2014

O MEU ESPAÇO

Sim é bacana estar com alguém, ter uma companhia, um(a) parceiro(a), mas nem o tempo todo, por favor! Afinal é legal fazer as suas coisas, ter aquele seu momento pra refletir ou pra não pensar em nada.
Confesso que gosto muito disso, não sou dada a grudes e nhénhéns, pois tem dias que gosto de caminhar sozinha que alguém interfira em meus pensamentos, desvie o meu foco, por vezes é gostoso fazer descobertas em conjunto, mas há outras que só podemos fazer estando sós.
Sei lá, a maior parte dos anos de minha vida estive solteira, não sei o que é estar por muito tempo com alguém, e por isso sempre deixo claro quando estou namorando que devemos ter o tempo nosso, e aquele tempo com os amigos. Assim não me sinto sufocada, perdida...não sou tão o outro e ainda sinto a minha essência, pois querendo ou não acabamos nos tornando ou pouco do outros, já que temos essa capacidade incrível de nos adaptar ao ambiente, acabamos pegando gostos ou manias do outro, e isso é um fato. Algo que é comum em todo o casal, vamos descobrindo o algo interessante no outro, e assim mudamos um pouco, sem forçar a barra claro...enfim, por essas e outras devemos ter o nosso espaço para não nos esquercermos quem realmente somos e o que desejamos.

segunda-feira, 3 de março de 2014

SABE O TAL JARDIM DAS BORBOLETAS?

Não aguento ouvir o tal do cuide do seu jardim para que as borboletas venham ou volte pra ele.
Definitivamente eu não cuido do jardim hahahaha porque eu sou a borboleta, simples assim! Logo, se o seu jardim estiver um pântano as minhas asas não gastarão energia pra chegar até ele.
Vou para onde sou bem recebida, bem acolhida, enfim para onde há cuidados, e principalmente atenção. 
E também não vou para um jardim que está ali só para atrair a "presa" e tê-la como uma prisioneira, ou um objeto de exposição...mais uma para a coleção.
Enfim sou a borboleta e não sei se estou para o seu jardim.

domingo, 2 de março de 2014

MÚSICA, MÚSICA E MÚSICA

Como música faz bem pra alma! Estar num ambiente em que há alguém tocando ou cantando é como uma terapia, ao menos sinto assim. Se eu estou mal sinto uma mudança de astral, uma nova energia, uma sensação muito boa.
Um ambiente com música me faz relaxar, esquecer as amarguras da vida, faz-me sorrir, faz-me dançar, faz-me sonhar. Claro que tudo isso depende do estilo musical que estou ouvindo, mas sempre ouço uns sons muito bons (aquelas que "manja"! Hahahaha), mas só sei que é isso.
Vou falar de uma rua que adoro dar umas bandas, e é a rua Teodoro Sampaio, como geralmente vou até lá de metrô, saio da estação Clínicas e adentro essa rua que tem praticamente de tudo, e o melhor trecho dela são os quarteirões com lojas de instrumentos musicais, ali até os vendedores tem uma energia bacana, vou descendo a rua e sentindo aquilo, ou parando e entrando em cada loja, ous somente andando e curtindo o som, já que sempre tem alguém tocando em alguma loja, seja testando o instrumento, ou afinando, ou se apresentando.
Simplesmente ali é o local onde sinto pessoas felizes e consigo ser feliz, e ainda temos por ali a deliciosa praça Benedito Calixto com a sua feirinha de antiguidades que acontece todo sábado, seus quitutes e também música que rola por ali mesmo, ou na calçada em frente. Acontece uma mistura de sons, bolero, rock, chorinho, salsa...de um tudo, mistura musical, mistura de gente.
Só sei que super recomendo!

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

DISTÂNCIA E APROXIMAÇÃO

O melhor dessa vida é se distanciar do que faz mal e se aproximar do que faz bem.
Demorou um tempo, mas aprendi que não devo remar contra a maré, e o bom é estar junto de quem deseja a sua companhia e não de quem a rejeita. Afinal por que ir atrás de quem irá lhe destratar ou desprezar? Somente para alimentar o meu egoísmo, sei lá uma "forçação" de barra desnecessária, e isso também se diminuir, não ter amor próprio, e isso é algo que aprendi a ter, diga-se de passagem aliado ao meu orgulho. E por essas e outras aprendi a dar espaço a quem me valoriza, trata-me com uma mulher deve ser tratada.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

A INSENSIBILIDADE HUMANA

Cada vez mais percebo as pessoas atrofiando os seus cérebros, o sentimento de compaixão sendo pisoteado, e sinto isso ainda mais no corre-corre de São Paulo.
Vamos ao metrô, e um exemplo de insensibilidade, uma pessoa se mata na via, ou é empurrada, ou cai por descuido a partir daí qual será a reação da grande massa? Pensará na pessoa ou em seu compromisso?
Infelizmente a maioria julga, faz piadas, e esbraveja em relação ao ocorrido com tal pessoa, afinal o que me interessa se ela está depressiva, se alguém a empurrou ou foi um acidente? O que interessa é seguir como um robozinho ao MEU compromisso e aquele SER atrapalhou tudo, atrasou a MINHA vida. E como ouço isso, além do tal "tanto horário pra se matar e fazem isso no horário de pico!?"
Mas como disse, o outro não me interessa, se ele está sofrendo ou doente que se dane e saia da minha frente porque eu preciso passar como um rolo compressor e não posso perder a hora da novela, o meu jogo de futebol, os minutos de atraso no serviço.
Compaixão? Aquela palavra que está sendo extinta do nosso vocabulário.

TIVE POUCO, QUERO O MAIS

Estou nesta vida, e ainda não senti o intenso, quando achei que iria retribuir... os sentimentos já eram diferentes, eu sentia o mais e o outro sentia o menos.
Como já relatei antes não sei o que é amor, não sei o que é ser amada, sim já tive homens que me trataram bem, cuidaram de mim, sentiram a paixão de início, mas após isso nada restou, daí penso que realmente é melhor estar só e não junto de algumas dessas pessoas, das quais eu queria o mais e o que restou foi o menos, afinal não quero o resto, pois amor não se mendiga.

VOCÊ É PERFEITA BLÁ BLÁ BLÁ

Parem! Apenas, parem de me dizer a mesma coisa!
Sei que estou sendo repetitiva, mas como sempre ouço a mesma coisa preciso enfatizar isso: eu não aguento mais ouvir "Ah você é perfeita e não entendo porque você está sozinha, se fosse eu não te largaria e blá blá blá..."
Por favor não me venham com essas balelas, afinal acham que eu sei porque estou sozinha?! Claro que não sei, já que sempre ouço que sou legal, inteligente,
bonita e engraçada..."só que não gosto mais de você."
Portanto, não me questionem sobre isso fazendo o elogio do "você é perfeita, tem
todas as qualidades que uma mulher deve ter e tals".
Chega por favor! Clichê demasiadamente chato.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

QUER? OK! SE NÃO QUER...TCHAU!

Após algumas experiências vividas já não tenho paciência com algumas atitudes masculinas. 
Primeiro ele demonstra interesse, mil elogios, mas enrola pra chamar pra sair, ou então some e reaparece dias depois. Pois é!
Quando eu era mais bobinha até ficava esperando, ou fazia algo pra chamar a atenção do indivíduo, mas hoje tenho a certeza de que se o cara apronta dessas significa que não está a fim de mim, logo dou oportunidade para quem realmente está interessado e me da a atenção que desejo, afinal por que perder tempo com alguém que me deixará mal?
Definitivamente estou fora, e ao menos essa lição eu aprendi da vida.
Quer? Ok! E se não quer...tchau, querido!  Eu quero viver!

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

C.A.N.A.: CLUBE DOS NÃO AMADOS

E lá vou eu para o C.A.N.A., o clube dos anônimos não amados. Somente quem está nele consegue se entender. 
Não temos grana para terapia, então fazemos uma "auto análise" em conjunto, ou melhor desabafos, e desse modo todos se aturam e sem precisar "alugar" os outros, pois sabemos que as pessoas possuidoras de uma vida perfeita uma hora cansa de nossas lamentações e passam a nos chamar de "mal amados depressivos". Por essas e outras é melhor estar junto de quem passa pelos mesmos problemas, talvez seja a melhor forma de tentar nos recuperarmos das frustrações amorosas da vida. 

O CLICHÊ DO CONSOLO

Começo aqui dizendo: Parem! Apenas parem! Já escrevi sobre isso, mas acho válido repetir o quanto é chato ouvir a pessoa que está me dando o fora ouvir sempre as mesmas palavras: você é linda, inteligente, maravilhosa, etc e tal, mas eu não gosto mais de você.
Ontem, estava eu conversando com o meu amigo Edgar, e falamos sobre esse tema, onde aliás ele citou um exemplo de um outro tipo de pé no traseiro que se encaixa perfeitamente no clichê do consolo que é o da demissão numa empresa.
E então lá vem o chefe na sala e diz: olha você é um funcionário incrível, sempre desenvolveu bem o seu trabalho, mas não podemos continuar, pois você encontrará um lugar onde ganhará mais e blá blá blá tenho certeza disso.
Como é um porre esse discurso clichê do consolo! Basta desse tal do "você é demais para mim e encontrará alguém que te mereça."
E impressionante como as pessoas não conseguem dizer verdades e precisam florear e tentar consolar de maneira tão repetitiva os rompimentos.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

APAGANDO

Passo pelos lugares sem olhar pela janela porque não quero saber onde estou.
Gosto de andar sem rumo, sem olhar por onde passei, e descobrir lugares os quais jamais caminhei.
Lugares onde não tenho histórias, pois alguns pelos quais passei já não me trazem boas lembranças, vou deixando que essas recordações se apaguem sem que eu olhe pela janela, e quando levantar os olhos novamente o que não me fazia bem se tornará uma vaga lembrança e passarei de olhos bem abertos sem medo, e que seja sozinha ou em boa companhia.
Tendo um novo olhar, um coração mais leve.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

CORTE DE LAÇOS

Infelizmente existem coisas, ao menos para mim, que devem ser feitas quando um relacionamento termina ou alguém querido se vai que é cortar laços, ou como chamamos o tal desapego.
Existem pessoas que superam perdas mais facilmente, dependendo da situação, e outras não. Uns conseguem conviver mais facilmente com objetos, imagens e pessoas que fazem parte daquele universo, mas outras não. E claro que isso depende do grau de envolvimento e do sentimento. 
No meu caso, quando é algo forte prefiro me afastar de tudo que me lembre a pessoa, não que isso seja para sempre, mas sim até o momento em que o meu coração esteja em paz, como se fosse um período de férias ou de luto, pois não vou negar que existem pessoas que enterrei no meu passado e para mim não fazem falta alguma por não acrescentarem nada em minha vida, e outras que já voltaram ou ainda quero que retorne por fazerem bem ao meu coração.
Enfim, cortes se fazem necessários para que eu posso viver melhor, que seja um ato egoísta, mas é o que me faz reerguer e continuar vivendo.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

O CONTO DE FADAS...OPA!

Nessas últimas semanas tenho notado o "conto de fadas" que muitos vivem, quer dizer parecem viver. Vemos fotos de famílias felizes, histórias lindas e não é bem assim. E de repente vemos que não é apenas a nossa vida está uma merda. A maioria das pessoas com problemas, vivendo de aparências e achamos que elas estão vivendo num mar de rosas. Como é difícil conviver com pessoas, sentimentos revirados, ou instantâneos que nos deixam em choque. E os bipolaridade que mudam do nada?! Se bem que existem os que não são bipolares e estão apenas tentando ser algo diferente, mas como não conseguem voltam a ser o que eram em instantes. É tudo muito confuso!

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

PRESSA E LOUCURA

Quando ando sem pressa em São Paulo parece que estou destoando do ritmo das pessoas, sinto-me como um ser extra terrestre.
Vou devagar, paro e observo as expressões das pessoas, e todas tem o mesmo ar sisudo, focado em algo que não está ali, e o ritmo das passadas é praticamente o mesmo, uns seguem mais rápido e outros vão atropelando, ninguém presta atenção em nada, somente aquele que para e observa, e nota que ali todos parecem ser iguais. Pertencentes a uma mesma massa que segue em ritmo alucinado, preocupado com o tempo.

QUANDO É HORA DE LEVANTAR

Sabe aquele momento em que você foi a nocaute e acha que nunca mais vai sair do chão? Então, sim você vai se levantar, seja sozinho ou com apoio de alguém. Algumas porradas são muito fortes, acabam nos deixando até em coma, mas é aquele coma que depende apenas de nós mesmos para despertar novamente para a vida. E o tal momento de voltar a vida está ali te puxando e o melhor a fazer é não exitar e ir.
Saber o momento certo de se reerguer e mais forte (quem me vê pensa hahahaha a bipolaridade fica bem clara em minhas postagens). Mas a vida é isso, uma constante mudança, seja de pensamentos, ou de humor,  o que eu tento fazer é deixar que a tristeza não me arrebate de vez. E vou tentando tirar o meu corpo do chão.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

A PRESSA QUE ME MASSACRA

Essa minha vida na cidade me enlouquece, pois parece que o tempo dela é diferente do meu. Tento escapar, mas ela vem e me engole e não consigo escapar por ter um ritmo mais lento. 
Queria acompanhá-la, mas não posso! Vejo que os outros seguem no ritmo dela, e eu vou ficando para trás, junto com os meus sonhos vou me perdendo, não consigo construir nada. É como se eu ainda estivesse na infância entrando na pré adolescência, perdida sem saber o que fazer, já que a vida sempre me escapa, ela sempre está a frente de mim.
Vou perdendo pessoas sem entender as causas, talvez por culpa minha, definitivamente não sei. E assim me fecho em meu casulo, e cada vez mais e mais não tenho coragem de seguir, e a vida vai ficando cada vez mais distante, e eu cada vez mais solitária. 
Vejo as pessoas me esmagarem, e eu andando em sentido contrário ao delas, passam rapidamente, ninguém me nota, ninguém me vê, um ser invisível, solitária como sempre.

GENTE QUE PODA

Cansada de pessoas que querem cortar aquilo que ainda não tive.
Quando falo que desejo viajar e viver em outro lugar, vem alguém e diz "ah, não vá! Tive essa experiência e foi péssima, trabalhei como escravo e blá blá blá...", ou quando digo acho que não vou casar ou morar com alguém, mas não por escolha minha e sim porque não me querem, daí vem alguém e diz "olha é melhor você não casar, continue solteira porque morar junto é uma merda!". Ok! Essa é a sua experiência e não a minha, você não quis casar? E aliás continua casado ainda, então porque vem me dizer para não fazer tal coisa? Eu quero ter as minhas experiências, cada um tem indireto de ir em busca da tal felicidade da maneira que quiser. Saco cheio de gente frustrada que vem dar conselhos medíocres!
Só quero viver, não sei se conseguirei como quero, e ainda não consegui, talvez morra sem ter conseguido o que queria.

LERAM, MAS NÃO ME ENTENDERAM

Sempre o mesmo círculo vicioso, a pessoa se interessa por mim, lê o meu blog, faz vários elogios, e depois que me
conquista, o meu blog já não tem mais importância, e por quê? Porque o que o meu escrever é uma forma, ou melhor arma, para me conquistar. E desse jeito acabam sem saber quem realmente sou, acabam sem saber que quando uma histõria minha termina é aqui o local onde irei desabafar, se apenas se esforçassem um pouquinho veriam que algumas postagens estão retratados os meus dissabores,'e ao menos se preocupariam em não repetir histórias, pois se realmente notassem as minhas histórias veriam que são parecidas. E o engraçado é que até hoje ninguém notou, ou então preferiu não tocar no assunto, não sei se por receio de algo como perder a conquista, e só sei que por conta dessas, eles acabam se tornando mais uma vez o comum, o repetitivo que não me faz inovar, nenhum até hoje se diferenciou em minhas histórias. Nenhum me surpreendeu.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

NÃO TENHO FORÇAS

Essa semana ando sem força, apesar de estar em plena atividade não tenho força ou seria fé? Está mais para fé, eu acho. Não estou conseguindo rezar/orar/pedir seja lá o que for.
Parece que deixei de acreditar que algo mudará, pois sempre sei qual será o fim da historia, e sei que será triste por mim, logo por que pedir, orar, ter fé? Estou desacreditando em tudo, pois não sei o que é de verdade, desconfio cada vez mais das pessoas, pois creio que cedo ou tarde me farão sofrer. Se o momento for bom, feliz demais, é melhor que eu espere a tristeza que vira em segunda.

SOMENTE AQUI CONSIGO FALAR

E como somos egoístas este é o único lugar, o qual consigo falar sem ser interrompida, sem perder a minha linha de pensamento. Geralmente, quando estou numa roda de amigos, acabo sem terminar de contar a minha história, pois sou cortada pelos mais falantes, e como prefiro não me estressar ou berrar para ter o direito da palavra prefiro parar e ficar em meu silêncio, já houve épocas em que fiquei triste por isso, mas hoje como tenho aqui para desabafar, deixo que me cortem e continuem falando.
Além disso, acredito que seja melhor escrevendo do que falando, e assim quem realmente quiser saber de mim acabará entendendo um pouquinho melhor de como sou por aqui, sem interferências ou cortes de outros. Pois é! Este é o meu mundo, cujo lugar é onde fico mais tempo, sempre só...e constato que vivi mais sozinha do que acompanhada nesses meus anos de existência, e o que mais me acompanhou sem me abandonar foi a minha escrita, essa sim é a minha verdadeira companheira.

sábado, 8 de fevereiro de 2014

NÃO QUERO O MORNO

É isso! Não quero mais o morno, aquele que parece calmo, seguro, mas no fundo é o cômodo e não mostra um sentimento verdadeiro, parece equilibrado, mas não é.
Quero sentir o quente, aquilo que me dê taquicardia, que demonstre com veracidade o que realmente quer, deseje, fale e faça. 
O quente que me faça sair cantando, dançando, poetizando, dramatizando, sensualizando. Aquele que tire o meu sono e a minha paz de maneira realmente boa, intensa! Cansada da insônia monótona e do que me dá sonolência..
Quero o quente que me arrebate, não o morno calmo! 
Quero o calor humano de verdade, chega de gente morna!

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

SABOTAGEM NO METRÔ DE SP?

E nesse primeira semana de fevereiro (2104) somos obrigados a ouvir do sr. Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e do secretário dos transportes, sr. Jurandir, que houve uma sabotagem dos usuários do metrô que resultou num caos?! HA HA HA só pode ser uma piada! Todos os dias sofremos  com falhas técnicas, vagões sem ar-condicionado, descaso, insegurança e afins é nós somos os sabotadores?! Quem passou mal e acionou o botão de emergência é sabotador?! Obrigada invernador e secretário dos transportes de São Paulo/SP!

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

FIQUE BEM! BEM LONGE DE MIM!

"Fique bem!" é  o que ouço, sim ficarei bem, desde que fique bem longe de mim.
Não quero perto de mim quem me deixa mal, quem me faz chorar.
Deseje-me o bem, mas bem distante de mim. 
Não quero ouvir a sua voz, nem ler as suas palavras, nem o pequeno agrado.
Não quero o consolo, não quero o pouco, não quero o raso.
Deixe-me com as minhas lágrimas e com as minhas mágoas.
Recordo-me das palavras com que me feriu, então deixe-me com a minha raiva!
Quero estar junto de quem me quer de verdade, e de quem eu queira também.
Não sei se isso terei um dia, apenas quem me deseje de verdade.
Desejo que fique bem...bem longe de mim!

OLHOS DE RESSACA

E cá estou usando uma expressão de Machado de Assis que é "os olhos de ressaca", aqueles os de Capitu, mas nesse caso os olhos e o ponto de vista são outros.
E esses meus olhos de ressaca que se embebedaram e despertam de um pesadelo, de dúvidas e dúvidas, e o fantasma da traição...será que houve? A sensação de que talvez sim fica em minha mente, e parece por influências fazer sentido. Ah como a mente viaja! A dúvida ficará sempre no ar. A traição de sentimentos sempre existirá inflada pelas suspeitas. E ela me disse que sim...em que acreditar? Melhor esquecer? Sim, mas a mágoa e a dúvida jamais serão extintas

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

ENTRE ALTOS E BAIXOS

Parece que levei uma surra, sinto cansaço, o corpo quebrado e a mente saturada. Vivo entre alguns momentos de alegria, outros de tensão e mais outros de tristeza. Na noite anterior mais uma volta do trabalho com pânico, sensação de impotência, raiva e tristeza. Olhava ao meu redor e via as expressões de angústia e desespero das pessoas na plataforma subterrânea do metrô de São Paulo. E quanto mais o tempo passava, mais pessoas chegavam e cada vez mais sentia menos o ar. Um estado sufocante! Até que a minha amiga e eu desistimos de continuar naquele cenário pavoroso e fomos para a rua, mais uma boa caminhada até chegar ao terminal Pq. Dom Pedro II que também não era animador, mas finalmente saímos daquele sufoco. Consegui encontrar a minha mãe e irmã no cinema, e logicamente perdi o começo do filme. Infelizmente não da pra contar com o transporte público de São Paulo. E assim vou desanimando ainda mais.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

RISE

Quem me conhece sabe que sou batmaníaca, mas não é especificamente sobre o Cavaleiro das Trevas que vou falar um pouco, mas sim sobre o "Rises", o "ressurgir". Aquela cena em que o Bruce está no poço, literalmente no fundo do poço e todos gritam "rises! Rises! Rises!", é como eu me sinto sempre quando levo umas porradas da vida, pois há umas que me levam a nocaute, desnorteiam o meu cérebro, e quebram a minha coluna. E assim fica um bom tempo sem conseguir me reerguer, já que parece ser impossível, a mente insana fica sem crer em nada, as esperanças se esvaem e o corpo padece sem forças para sair do lugar. Até que o tempo vai passando, e vou percebendo que a mente volta a ter raciocino lógico, e a coluna quebrada começa a se restaurar, e daí sim crio a coragem necessária para sair do  fundo do poço, ao qual fui jogada. Nada como o tempo para nos fazer ressurgir! Rises! Rises! Rises!

domingo, 2 de fevereiro de 2014

"A FELICIDADE SÓ É REAL QUANDO É COMPARTILHADA"

Já haviam me dito para assistir o filme Into The Wild (Na Natureza Selvagem), ele é baseado na história real de Cristopher McCandless/Alexander Supertramp. Ele é um jovem que acaba de se formar e resolve cair na estrada, a princípio sem destino já que deseja descobrir o que é ter liberdade, pois vive sob o domínio dos pais e suas regras, aquela vida ditada pela sociedade. Mas em casa o seu mundo não é perfeito, os seus pais não são exemplos. E então Cris/Alex foge do destino programado pelo seus pais, pega o seu velho carro e vai descobrir o mundo em seu país, vive nas estradas, na natureza, e com estranhos pedindo carona, arrumando serviços temporários para ter uma grana, e poder chegar ao destino que escolheu: chegar ao Alaska.
Só sei que ele nos faz refletir sobre as nossas vidas, e sobre o que realmente queremos, o que é ser feliz? Ser livre! Isolar-se ou conviver com outros? Acreditar nos seres humanos, acreditar em mim? Não consegui ainda definir como será a minha, aliás isso nem dá para se fazer, mas há coisas que posso fazer e farei, ao menos tentarei.
E como disse o Cris/Alex "A felicidade só é real quando é compartilhada.", e ele me fez entender um pouco disso, não entrarei em detalhes, pois é bom assistir o filme. Super recomendo!

sábado, 1 de fevereiro de 2014

É PARA SER QUANDO FAZEMOS ACONTECER

E quando estamos mal, vários planos não deu certo, e chegam uns amigos dizendo que devemos desistir porque "não é para ser". Como assim? Por que não devemos insistir quando o que buscamos é algo que sabemos ser alcançável, mesmo que o esforço seja imenso. E não falo aqui sobre relacionamentos, até porque se um não quiser pode esquecer, pois o melhor é desistir. Falo sobre planos profissionais, viagens, compra de bens e afins, afinal devemos insistir e buscar aquilo que nos dará orazer, mesmo que a luta seja árdua. Hoje acompanhei uma amiga na conquista de um sonho que alguns acharam que era melhor ela desistir, e eu estava ao lado dela vendo o sonho se realizar. É isso! É para ser quando fazemos acontecer!

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

A INTENSIDADE E O TEMPO

E essa mania das pessoas medirem a intensidade de um relacionamento pelo tempo que ele durou? Ok! Pode ser que a maioria dos relacionamentos que duraram pouco não tenham deixado lembeanças, mas existem aqueles que podem ter durado semanas e deixou mais marcas do aqueles que duraram anos, pois o sentimento não foi intenso. Conheço pessoas que não se esquecem até hoje de suas paixões do verão, mesmo estando casadas e que se tivesse a chance voltariam para aquele tempo, e largariam o casamento de anos, mas como o comodismo é forte continuam nessa.
Por essas e outras aprendi a não julgar o tempo em que uma pessoa amou uma outra. Posso namorar 2 meses com alguém e demorar anos para esquecer, assim como posso namorar 3 anos com alguém e em uma semana já estar com outra. Enfim tudo é muito relativo

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

ENTRE A FÉ E A DESCRENÇA

Nesses últimos meses sinto-me perdida, não sei qual direção seguir, sinto-me impotente é incompetente. Uma sucessão de fracassos me deixam ainda mais perdida, pois parece que vim ao mundo para não ter nada, ou "melhor", para não ser feliz.
Há momentos em que procuro palavras de pessoas amigas, mas muitas vezes não são essas que confortam ou me elucidam coisas as quais não compreendo. E quando estou me vem todos os tipos de pensamentos, além de risos (poucos), e das lágrimas (muitas) pelos fracassos e incertezas. E lá vem os questionamentos: "devo acreditar que algo irá mudar?", "a minha vida será isso?", "conseguirei ser feliz por mais tempo?", "farei aquilo que realmente gosto?", "formarei uma família?", "amarei e serei amada?", "mereço ser feliz?", "quais são os meus erros?", e por aí vai.
E me pego sempre com esse tipo de questões sobre o que acontecerá em minha vida, continuarei sendo isso?! Penso que devo ter feito algo muito ruim no passado, maltratado homens ou mulheres, mas será que vidas passadas existem? Por que castigos, Deus?! Mas Deus realmente existe, ou foi uma invenção dos homens para manipular pessoas? Por que ele aparece tirano, se dizem que Deus é amor? Passei a pensar mais sobre isso após ter assistido recentemente Alabama Monroe que aborda um pouco a sobre religiosidade.
Só sei que há momentos em que desejo acreditar que existe algo superior, o qual devo crer para que a minha vida melhore, mas então o lado racional vem e me diz que isso não é possível. Como ter fé no invisível? Daí vejo relatos de milagres que parecem ser impossíveis aos homens, e então de onde vem esses mistérios? Fico cada vez mais sem entender, e torcendo que esse sobrenatural, força maior exista e opere algo bom em minha vida. É como se eu precisasse de um sinal para crer, pois minha fé vem e se esvai, pois acho que não sou merecedora de nada, talvez o meu estado de melancolia me deixe mais pessimista, não sei explicar. Quero acreditar, ter fé que algo maravilhoso acontecerá em minha vida.

domingo, 26 de janeiro de 2014

MEUS NOMES?!

Olha eu perdida! Que novidade hahahaha
Quem sou eu? Qual o meu nome?
Em casa com familiares sempre fui a Paula ou Paulinha, além da infância na escola que por vezes era Ana Paula ( sempre achei muito formal)
O Ana não fazia parte de mim, soava-me estranho, parecia um nome velho (a sem noção), até que na fase adulta passaram a me chamar de Ana, isso começou na faculdade, no trabalho e nas redes sociais, e assim fui me acostumando ao Ana e Aninha, e passei a gostar do nome, afinal os dois nomes são meus e tem sim a minha cara.
Mas então começam os problemas hahahaha quando alguém que não faz parte do círculo que me chama de Paula ou de Ana, pergunta-me qual o meu nome, fico como se tivesse me dado um branco e demoro uns segundos eternos pra responder, a minha mente fica entre o Ana e o Paula, as vezes digo um ou outro ou falo Ana Paula e digo você decide hahahaha a loucura de quem tem nome composto.
Beijo mãe e beijo pai!
P.S.: esse nome composto gerou anormalidade hahahaha

LUGARES, LEMBRANÇAS TRISTES

Passar por alguns lugares é como uma prova de fogo, principalmente, se ainda fazem parte de um passado bem recente, mas se faz necessário passar por tais lugares para que novas histórias sejam criadas e mais lembranças ficarão registradas, e aquilo que ficou de ruim ficará para trás, esquecido dificilmente será, mas ficará armazenado num local remoto.
Encarar a realidade! Venho fazendo isso, mais um aprendizado da vida, existem coisas que demandam mais tempo para superarmos, mas aquilo que dá para encarar, o melhor é fazer o quanto antes, nos últimos dias estou conseguindo me surpreender, apesar de em alguns momentos esmurecer. Sentimentos não são nada fáceis...

sábado, 25 de janeiro de 2014

UM AVASSALADOR

Desejo um equilíbrio, não "péra"! Desejo um avassalador!
Um homem que saiba dizer, demonstrar e comprovar o que sente, não quero o exagero que chega a soar falso, e nem o que somente tem atitudes, mas não diz nada.
Nós mulheres temos a necessidade de ouvir que somos desejadas, de ouvir palavras de carinho ou de tesão. Queremos ouvir o "sinto saudades!", mas também queremos que o homem apareça em nossa porta e mostre que realmente nos quer.
Posso dizer que em minha experiência ainda não encontrei que chegasse em mim com esse equilíbrio, sempre foi o exagero ou a falta, e como eu sempre esperava que algo fosse mudar, deixava rolar até me decepcionar.
Já citei em alguns posts que jamais ouvi um "eu te amo!", creio quem não deva ser merecedora de tal sentimento, talvez tenha demonstrado muito e espantado, ou demonstrado de menos e afugentado. Ainda não sei se realmente sentirei isso, e se haverá reciprocidade, e sim ainda almejo saber o significado desse sentimento, estar com alguém que realmente me proteja, sinta-me, fale em palavras o que sente sem floreios, que as palavras se mostrem verdadeiras como o olhar, não quero somente atitudes...pois quero ouvir e também dizer sem receios. Não quero o silêncio, nem o discurso clichê do apaixonado, quero sentir o real! Quero sim que o ciúmes seja demonstrado, daquela maneira que me fará saber que "ele se importa comigo". Coisas talvez banais, mas que me fazem saber que existe sentimento.
Um homem que saiba qual a minha bala preferida e de repente apareça com ela...sim eu vou delirar!

P.S.: coloquei esses homens por motivo de => curto essas barbas hahahaha

PARABÉNS SÃO PAULO! 460 ANOS

Mais um ano da cidade que nasci, cresci e continuo vivendo. Não sei se morrerei aqui, ainda penso em sair dela, mas se eu sair ela não sairá de mim.
Tenho uma relação de amor e ódio com São Paulo, odeio o caos, a frieza dos habitantes, a poluição, a insegurança, o estresse e afins, mas amo a quantidade de gente, a diversidade, a arte, a culinária, a loucura, o concreto, a família, os amigos.
Momentos em que caminho sozinha, paro e passo a analisar as pessoas, rostos diferentes, e qual será a história de cada uma delas? Momentos em que estou com uma pressa insana e só penso a atropelar a massa que vem em minha direção. Essa cidade gigante que confunde os sentimentos e me faz perder em pensamentos.
Parabéns velha impiedosa, acolhedora e imponente. Maltratada que também maltrata...



sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

FRUSTRAÇÕES

A cada decepção que sofro eu perco algo em mim, perco gostos, perco cheiros, perco desejos, perco lugares. Coisas que eu gostava já não tem mais graça, como se houvesse uma morte, ou melhor várias mortes em mim. Aquela necessidade de matar o que já não me faz bem, e que talvez um dia volte a me deixar feliz.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

DESINTERESSANTE

Sabe aquela fase que você leva umas cantadas, mas nenhuma te aguça? Então, estou nessa fase. Sei lá, estou meio em órbita, meio a fim de nada. Para me despertar, tirar dessa fase vai ter que ser alguém muito bom...porque olha?!?!
Nada me empolga, diálogos, mensagens, elogios e para mim é tudo blá blá blá, onde algum fala comigo e eu presto atenção se vai chover na hora de ir embora do trabalho. Depois de anos de vida, experiências, algumas coisas tornam-se clichês, e fico sem expectativas diante de certas cantadas, sempre tão iguais, manjadas, e principalmente, porque já sei qual o será o final. O lobo vem na pele de cordeiro e pega o carneiro, e por fim só resta a carcaça, e como uma fênix tenho que reunir o que restou e renascer novamente das cinzas, cada vez mais calejada e desacreditada.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Sobre: Alabama Monroe

Ontem assisti a um filme belga, de 2013, maravilhoso! Cruelmente triste, mas lindo! Uma história de amor entre duas personalidades diferentes, uma tatuadora e um músico estilo country que se apaixonam perdidamente, casam-se, e
tem uma filha diagnosticada com leucemia aos 6 anos de idade, a partir daí diversas passagens da vida do casal são mostradas entre o passado e o presente com diferenças de cores retratadas pela magnífica fotografia do filme. Muito choro, cenas alegres e dramáticas que de certo modo até se suavizam com a trilha sonora sensacional que é apresentada, afinal o casal também canta e divinamente.
Diversas cenas marcantes, mas a que me deixou mais reflexiva foi essa fala de Elise para Didier: "Eu sabia, na verdade, eu sempre soube que era maravilhoso demais para ser verdade, que não poderia durar. Que a vida não é assim, a vida não é generosa. Você não deve amar alguém, você não deve se apegar a alguém, a vida vai te trazer mágoas. Ela leva tudo para longe de você e ri na tua cara. Ela te trai."
Ahhh a vida!!!!

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

LIVRE DA CIRURGIA NO LIGAMENTO

Finalmente chegou o dia da consulta! E não precisarei de cirurgia, mas terei que fazer as 40 sessões de fisioterapia para ter o meu pé véio de guerra de volta, ou é isso, ou não poderei praticar atividades físicas. Já não estou bem mentalmente hahahaha agora terei que fazer com afinco essas sessões, aliás já ando neuróticas com medo de cair novamente e sofrer um entorse.
Mas basta! Basta de cair na rua, na escada, na vida! É o que tento dizer todos os dias, mas inevitavelmente o meu astral acaba caindo por lembrar que estava e num piscar de olhos voltei ao ponto zero ou pior ao ponto menos 10 (Ana, volte dez casas!).
Sei lá, se vivo num jogo, a vida é um jogo, o jogo da vida (enchendo linguiça), apesar da tristeza pesada que ainda carrego, estou um pouquinho melhor hoje por não precisar fazer cirurgia, ao menos a doutora Gabriela garantiu que não é necessária (Ufaaaa! Fiquei livre da faca!), então vou cuidar desse tornozelo, deixar ele bão de novo para voltar as minhas atividades físicas, a minha dança, e aos meus saltos altos. Sacrifícios pela recuperação, e agradecendo por não precisar de cirurgia, onde ficaria uns meses de licença médica e ainda mais impossibilitada de fazer coisas que me fazem bem. Para me deixar mais pra baixo só estava faltando entrar na faca hahahahaha socorro! Obrigada, meu anjo da guarda, Deus, santos, santas e orixás! Saravá, Amém! Que essa fase ruim que se iniciou em outubro de 2013 desapareça de minha vida! Que boas energias venham com aqueles estão comigo e que novas pessoas surjam e iluminem a minha vida!

domingo, 19 de janeiro de 2014

A DESENCANTADA

Era uma vez uma garota que virou e se tornou mulher. Na infância vivia fechada em seu mundo, tinha poucos colegas de escola e bem poucos amigos, pois sempre morou num bairro em que a maioria das pessoas não tinham casas próprias, devido a isso as suas amizades após um tempo íam para bem longe. Desde cedo se acostumou a perder pessoas, pois sabia que logo elas partiriam para outro bairro ou para outra cidade, e assim os laços se perdiam.
Na adolescência a mesma coisa, apesar de ter conseguido aflorar mais ainda sim era uma solitária que enfrentava tabus e dilemas, pois o pai sempre foi protetor ao extremo, e por isso se podava. E então passou toda a sua adolescência sem namorar, apenas flertava no colégio e tinha suas paixões platônicas, já que não tinha confiança em si, e alimentava complexos como o da magreza, onde chegava a usar duas calças para ver se as pernas engrossavam, além de se achar feia e sem graça. Nesse período nenhum garoto chegou até ela.
Somente após os dezoito anos conseguiu se relacionar com alguém, mas ainda assim foi com medo e com descrença, algo que durou pouco, e ela não quis continuar. Depois disso entrou para a faculdade e passou a se sentir mais desejada, mas ainda assim amedrontada, e então se envolveu com um estudante de engenharia, estava até se apaixonando, mas um dia chegando ao ponto de ônibus viu que ele estava beijando uma garota, e para sua surpresa essa guria era quase a sua clone. A dor lhe invadiu, e viu que mais uma vez havia perdido alguém, a sua sina. E de raiva no mesmo dia, naquele ponto notou que um homem estava olhando pra ela, e foi aí que resolveu ficar com outro homem para se vingar, a princípio foi bacana, mas depois sentiu um vazio. Passado um tempo, o estudante de engenharia queria voltar a ficar com a garota, mas ela já não o queria mais.
Alguns anos se passaram e a Desencantada se envolveu com um rapaz no trabalho, e este ainda estava com a ex na cabeça, e logicamente que isso não deu certo, mais uma decepção que não chegou a virar namoro.
Uns rolos aconteceram, e alguns poucos namoros também e foram frustrantes, já que sempre terminaram de maneira "estranha" como que por um encanto, ou melhor "desencanto". Como num piscar de olhos a paixão que eles tinham por ela se acaba, e eles se dizem desanimados, não citam defeitos, não brigam, somente dizem que ela é linda, inteligente, bacana etc e tal como num clichê e assim o relacionamento chega ao fim. 
E a Desencantada mais uma vez perde mais uma vez sem que o sentimento torne-se amor. Ela somente tem a paixão dos homens e com um prazo de validade, e antes que vira algo maior o encanto se quebra como numa maldição, e dessa maneira ela jamais soube o que era o amor, pois jamais ouviu um "EU TE AMO!"

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

FÉ?

Como é difícil ter fé! Fé! E quando tudo dá errado é quando mais desacredito que possa existir algo maior que irá me tirar do fundo poço, por isso alterno entre momentos em que acredito na mudança para melhor, e outros em que tudo irá piorar, e nessas acabo ficando com a última opção. Vejo sempre pessoas citando milagres, e não vejo nada acontecer em minha vida, e nem falo de bens materiais, já que isso deve ser batalhado, mas sim de algo que depende da chamada "força maior".
Será que Deus, os santos, as santas, os orixás olharão algum dia pra essa filha aqui...que vive em desespero, perdida, desacreditada da vida? Almejo tanto algum sinal de que algo mudará em minha vida para melhor. Preciso tanto de um sinal, e será que virá? 

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

QUE VENHA O 20

Ainda continuo no inferno astral, e geralmente, ele fica pior após o meu aniversário. O sinal de que o final de ano seria uma merda veio em outubro após a minha queda ao descer do ônibus voltando do trabalho pra casa. Já havia tido um dia estressante e finalizei aquele segunda com um entorse no pé direito. E dali pra frente as coisas começaram a desengrenar. Deixei de fazer algumas coisas por conta do meu pé, tive licença do trabalho, fim de namoro, distanciamento de pessoas queridas, e ainda continuo presa ao outubro negro, e cá estou aguardando ansiosamente o dia 20. O dia da consulta! Que chegue logo! 

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

QUANDO NÃO ESTOU A FIM

É tudo tão estranho! Quando fico com alguém e não tenho mais desejo de ver a pessoa novamente, um beijo que não dá sensação alguma, e então a tal quer o retorno, marcar um novo encontro, e eu fico naquelas de "devo dar uma nova chance?" porque vai que muda alguma coisa, mas a maior probabilidade é a de que não mude nada.
Por mais bonito que o tal cara seja, se a química não rolar o melhor é esquecer, e deixá-lo na saudade. Sou um ser chato, principalmente, no cinema. Detesto homem que vem com mão boba quando estou assistindo o filme, só se o filme for muito ruim para que eu deixe de prestar atenção, portanto, se o cara vem com muita graça perde muitos pontos comigo, por favor! Não sou mais adolescente para estripulias no cinema. Poderia até acontecer um fetiche numa sala de cine pornô, mas não é o caso, logo estou fora! E voltando ao início acabo perdendo o tesão com homens assim. É tão engraçado tudo isso, pois quando rejeito eles vem atrás.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

CORRER ATRÁS?

E esse lance de correr atrás? Comigo isso não acontece, pois ninguém corre atrás de mim e vice-versa. Prefiro ir em busca de quem irá me fazer bem, e não de quem me rejeita ou deixou claro que não gosta de mim. Daí você ouve "ahh, mas por que você não luta pela pessoa se ainda gosta dela?', sinceramente eu passo, já basta o sofrimento da rejeição e ainda ter que se humilhar indo atrás?! Prefiro manter o meu orgulho intacto e estar sozinha ou junto de quem irá me fazer bem.
Pode ser duro, mas abro a cova e enterro o meu sentimento, o luto se inicia, o meu passado fica lá no canto do esquecimento, e qualquer laço é definitivamente cortado. Se isso é bom ou ruim? Definitivamente não sei, pois é o que sempre faço para ficar em paz com o meu coração, pois manter amizade com ex...comigo não rola, amigo é amigo e ex é ex, no mãximo acontece uma troca de cumprimentos e um papo formal sem mais intimidades.
E como dizem por aí: não corra atrás das borboletas, cuide do seu jardim para que elas venham até você.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

A OSTENTAÇÃO

E num final de semana desses, numa balada latina eis que surge um cigano em nossa roda querendo se enturmar com as "brasileiras", e nessas nos oferece bebidas, e eu acabei recusando, pois é!
Ele chegou tentando conversar com todas ao mesmo tempo, mas o objetivo era chegar até mim, e naquele local eu mal conseguia ouvi-lo, ele tentou me mostrar um vídeo em que todos tocavam seus violões naquela efervescência cigana. Como nos adicionamos via facebook acabei ouvindo o som, pois também curto uma música cigana. 
Mas como havia dito o objetivo do moço foi tentar me conquistar, e foi aí que começou errado (tudo bem que já não iria dar em nada, pois estou com o coração em balanço e sem previsão de reabertura), enfim pelo inbox do facebook ele quis saber o que eu curtia, e falei sobre cinema, séries, bares, amigos, arte e afins, e ele  começou a falar sobre o quanto ele é consumista, comprou o PS4, mora num apartamento do Anália Franco, assíduo frequentador de academia, desfila em sua Mercedez esporte conversível e blá blá blá. E eu comecei a rebater sobre não ligar pra carro, desconhecer marcas de roupas, além de ser classe média baixa. Curto um conforto? É claro que sim! Mas não estou atrás de homem porque tem grana ou seja lá o que for, não tenho a menor paciência pra esse tipo de papo. Simceramnete não sei, se é uma insegurança dele, pois ele me disse que acaba se envolvendo com patricinhas. Sei que as pessoas reclamam sobre homens/mulheres interesseiras, mas vivem em locais onde habitam esses seres. Falta ampliar o horizonte. 
Gosto de um bom conforto, mas não venha com o papo de ostentação para o meu lado.
Concluindo: fiz o cara desistir de mm hahahahaha

domingo, 12 de janeiro de 2014

AVENTUREIROS? TÔ FORA

Aquele momento em que nenhuma cantada te atraiu devido aos desastres anteriores, principalmente, quando os caras que aparecem são os "aventureiros". Sou uma mulher que acaba se apegando fácil quando o homem me dá "carinho e atenção", daí se não consegue manter isso já começo a me sentir mal, e lá vai a dona Ana novamente para o fundo do poço, mergulhar nas lágrimas.
Definitivamente não tenho mais saco para isso, e parece que enfim passei a enxergar os sinais de quem só quer uma aventura, partindo daí dependendo da ocasião já dou a cortada, ou dou sinais de que aquilo não irá render e demonstro a minha insatisfação. Já tive fases em que estava nem aí é entrava na curtição, mas isso foi há tempos, pois hoje já não tenho mais saco para "ficadas e baladas", não suporto o momento instantâneo. Se bem que agora não estou a fim de nada, depois de alguns tropeços seguidos fiquei ainda mais insegura com os homens, a cada decepção a descrença aumenta. 

sábado, 11 de janeiro de 2014

O QUE ESPERAR?

E aqui estou sem saber o que esperar, já que a cada frustração fique mais descrente de que algo possa dar certo em minha vida. Tento, tento e nada vai pra frente, o que há de errado? Uns conseguem tão fácil, outros com mais dificuldade e alguns não conseguem nada, e me incluo neste terceiro grupo. Sei que a felicidade de ninguém é absoluta, pois isso não existe, e somente acontece em finais felizes de contos de fadas.
Não sonho com uma vida de princesa ou de rainha, mas apenas com uma vida em que tenha uma estabilidade financeira ( quase impossível!!!) sem passar por grandes sufocos, consiga comprar o meu teto, e ter um automóvel pra não depender dos outros ou do transporte público em momentos urgentes e ter a liberdade para ir onde bem entenda, além de é claro formar uma família minha com filho, cachorro, gato e papagaio, mas até hoje nem o pequeno gostinho de algo parecido com isso que almejo pude ter. Não tenho mais vinte anos, passei dos trinta anos, e quem me olha sorrindo e diz que sou "linda e inteligente" não tem ideia de quem realmente sou, como já citei em outras portagens devo ser um ser bem sem graça, e que aprontou várias (em vidas passadas) e hoje não tem direito a nada. O que me resta talvez seja acompanhar a vida dos outros, e esperar que um dia a morte me leve, pois essa é a única certeza que tenho no momento.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

AMOR? SÓ VI NA FICÇÃO

Amor de homem e mulher o que é? Em mais de 30 anos de existência ainda não descobri, e acho que devo ser uma mulher bem chata e sem graça, pois os homens desistem e desanimam da minha pessoa bem rápido, e por essas e outras não sei o que é amar e ser amada, nunca ouvi um "eu te amo". Tá! Eu sei que pode ser babaca e irão me dizer que existem aqueles que soltam um "eu te amo" falso, mas até esse eu nunca ouvi. Sei lá, se em outra vida fiz os homens sofrerem por mim, se fui uma mulher perversa, ou se sofro algum tipo de maldição nesta vida. Pois é! Algo de errado deve ter, e não consigo entender o que seja, já que os homens não me dizem qual é o meu problema. Daí me penso que passarei por essa vida sem saber o que é o amor, e continuarei olhando os amores dos outros e os do cinema sempre como uma reles espectadora que suspira por algo inalcançável e cada vez mais distante. E assim torno-me cada vez mais melancólica e mais fechada após seguidas frustrações com términos parecidos.
Realmente não se se algum dia ouvirei um "EU TE AMO!"

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

PARA ESQUECER

O que eu faço para esquecer alguém? Desapego de tudo que me faça lembrar a pessoa, evito lugares, objetos, filmes, cheiros e afins. Ao menos para mim isso se faz necessário durante um tempo até que eu fique bem.
Apago telefones, histórico de mensagens, apago fotos, enfim tudo aquilo que irá me deixar ainda mais no fundo do poço. Infelizmente não dá pra fazer isso com a memória, ok! Sei que é pedir muito, e tenho inveja de quem consegue conviver bem com isso (será que isso é mesmo real?!), só sei que não consigo ser fria, e como sou uma manteiga que se esconde prefiro agir desse modo pela minha sanidade mental. Além disso prefiro manter distância física e contato zero até que eu me recupere plenamente e nào desabe frente a pessoa, afinal como orgulhosa que sou...detesto demonstrar essa minha fraqueza. Em algumas relações o meu desapego foi relâmpago (graças a Deus!), já em outras foi penoso, mas consegui esquecer.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

ELAS SECAM

As lágrimas sempre secam, taí algo indiscutível! Por mais que a tristeza pareça ser infinita existe uma hora que o choro não vence e as lágrimas cessam. Seja o choro de tristeza, de mágoa, de saudade, ou de raiva, pois é! O choro uma hora para, dá aquela pausa para que o soluço pare e a reflexão se achegue de uma forma mais moderada ou quiçá intensa. Nessas horas acabo sempre me recordando do filme "Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças" e de como eu queria que sentimentos fossem apagados, momentos bons que depois trouxeram frustrações fossem devidamente enterrados, e então eu partisse para uma nova história sem me recordar das lágrimas que deixei pelo caminho. A cada frustração e a cada nova tentativa o meu medo de errar novamente e me machucar ainda mais só aumenta, parece que a cada dia fica mais e mais difícil, fico ainda mais perdida quanto ao me entregar a alguém ou me fechar em meu casulo para assim evitar mais um desastre e um novo vale de lágrimas. E por que não tentar de novo se tenho a certeza de que as lágrimas sempre secam.
E como já cantou a minha eterna diva, Amy Winehouse: Tears Dry On Their Own.




ANA SEM GRAÇA

Dizem que o significado de Ana é "cheia de graça", até devo ter lá uma graça, ser engraçada, mas depois de um tempo (curto) torno-me a sem graça.
Sou a Ana sem graça!
A Ana que encanta e desencanta num piscar de olhos.
A Ana que está mais para a falsa mágica do que para a magia.
A Ana que de sedutora vira a amiga.
A Ana sem sal e sem açúcar.
A Ana que desperta a paixão e não transforma em amor.
A Ana que vive mais em sonhos e fantasias.
A Ana que mais erra do que acerta.
A Ana que mais cai do que anda.
A Ana que jamais ouviu um "eu te amo!" de um homem, nem mesmo um falso.
A Ana que jamais soube conquistar de verdade.
A Ana banana que não sabe brigar.
A Ana preguiçosa, desmantelada e desastrada.
A Ana perdida, muitas vezes medrosa, introspectiva.
A Ana que sorri para o mundo afora, mas chora somente para o seu mundinho.

domingo, 5 de janeiro de 2014

A "BROTHER" EM PEDAÇOS

A cada decepção, a cada frustração fica mais difícil a reconstrução, o acreditar que algo possa ser diferente quando histórias se repetem com finais infelizes.
Os cacos que já foram colados partem-se novamente e ainda mais esmigalhados, fica cada vez mais difícil acreditar que uma nova história de amor poderá ter um "final feliz" quando o que se tem é o contrário, quando a felicidade está na ficção ou nos outros, e parece que jamais irá acontecer em sua vida. Os questionamentos ficam ainda mais fortes em sua mente sobre o que "eu tenho de errado?", "devo fazer joguinhos?", "devo ter ataques de ciúmes?", "devo falar mais?", "devo exigir?", "sou ruim de cama?", enfim, realmente não sei, pois até hoje não me foi dada a chance de corrigir ou melhorar algo em mim enquanto estava num relacionamento. 
E assim fica mais difícil a entrega, e o pé atrás segue firme e forte nessa caminhada.
Mas dizem que sou linda, maravilhosa, inteligente, sexy, simpática e blá blá blá ( quando os caras me dizem isso, logo penso que estão me tirando...e eles não sabem, mas depois que o meu "encanto" se quebra eu viro "a brother" deles hahahaha nasci pra ser "brother" dos homens.