sábado, 13 de dezembro de 2008

CÉU DE MAR



A parte, olho,
beleza intrigante
o azul incomparável,
quão fascinante.
Vislumbro o encontro
daquele céu, daquele mar.
O azul mais belo ali está,
encontram-se e fundem-se.
O azul infinito
que em mais nenhum lugar existe,
horas passo a admirar,
distante do cinza triste,
sem nada a pensar.
Naquela imensidão a navegar,
pensamento a voar.
Sou um grão a mergulhar,
naquele céu, naquele mar,
vem a me encantar.
Nada mais importa...
deixo o azul me arrebatar.

2 comentários:

Marcos Medeiros Raimundo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcos Medeiros Raimundo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.