terça-feira, 15 de janeiro de 2013

AS TAIS INDIRETAS

Desabafos nas redes sociais, dependendo do nível dá para sentir até um orgasmo, ou um grande alívio, mesmo que ninguém lhe responda há algo que é certo, alguém irá ler, já que somos seres curiosos e se tem um tom de intriga ou mágoa dará aquela vontade de se inteirar dos fatos.
Ao analisar o começo dos relacionamentos de amizade de um grupo na web, de início vemos a união de todos como num Big Brother só que virtual, tudo é festa, todos se reúnem e todos se amam, até que os casais se formam, as mulheres começam a se odiar, as separações dos casais acontecem e os novos se formam, as pessoas com ideias diferentes sobre política, futebol e afins, deixam de se falar ou apenas se suportam por ter que conviver num mesmo ambiente. E para isso acontecer são necessários poucos meses.
Os grupos com mais gostos e ideias em comum ficam mais unidos, se alguém de outro grupo mexer com o de outro vai ter chumbo trocado...e assim lá vamos nós!
Está aberta a temporada de envio de indiretas sem fim, pois queremos é instigar a curiosidade das pessoas para tentarem descobrir quem foi o alvo e num desses disparos mais de um pode ser atingido, porque sempre aparece alguém que veste a carapuça.
E lá vem as frases de quem leu a indireta: "Indireta recebida com sucesso!", "Indireta na TL?! Quem foi?", "Quer falar de mim? Coloca a @!", "Pobre manda indireta, rico manda matar.", e por aí vai. Gosto muito de observar e participar disso, pois somos detestáveis e incríveis ao mesmo tempo. É a necessidade que temos de responder a quem nos feriu e fazer com que os outros saibam e comentem que nos move. Somos assim, queremos atenção, sentimos carência, atacamos quando temos o orgulho ferido, compramos brigas de amigos, e temos dificuldades de sermos imparciais.
E então temos o período de "guerra fria" na TL, momentos em que a pessoa odiada é esquecida, momentos em que ela escreve algo e te faz disparar uma "bomba" na rede, e lá vamos nós mais uma vez. Seguimos com períodos de guerra fria, trégua e tensão. Quando as indiretas tornam-se insuportáveis acontece o bloqueio e a pessoa do paredão vai a eliminação de sua TL.
Até chegar um próximo que não se enquadra no perfil que gostamos e iniciarmos uma nova batalha de frases indiretas...certeiras ou não.

6 comentários:

Gugu Keller disse...

Não raro o não dito é mais claro.
GK

Unknown disse...

Pronto, tem todo o contexto das situações. Somos capazes de atacar, de sermos atacados, de observar, de querer ficar na zona de conforto ou até de criar e alimentar confrontos. Falando do Twitter, dos grupos, dos diferentes tipos de pessoas, opiniões e princípios, eu falo que somos sobreviventes de um território onde a guerra e a paz caminham lado a lado.

Délirant? Joie? disse...

Verdade, Gugu! E nas redes sociais parece até ecoar mais forte...a clareza enviada nas entrelinhas rs. ;)

Délirant? Joie? disse...

É isso!!! Você disse tudo "somos sobreviventes de um território onde a guerra e a paz caminham lado a lado."
Momentos em que somos racionais, irracionais, caímos em contradições. Queremos a tal paz? Talvez sim, talvez não...pois sobrevivemos na guerra. Ahhh humanos rs

Uriel Soares disse...

O vibrante em tudo isso creio que seja "ser vc mesmo"...pq quando se está pessoalmente presente fica difícil...sei lá,na net as coisas sãos até menos "virtuais" que na vida real...vida real? rsrs muito bom seu post. Peço que visite o meu depois. bj

Délirant? Joie? disse...

É sim Uriel rs...temos que ser nós mesmos! E nem todos se mostram pessoalmente como são virtualmente, há pessoas que se expressam melhor escrevendo e outras no cara a cara hahahaha ou por timidez ou por alguma falha de caráter. Agora quanto as indiretas sinto ser algo mais forte nas redes sociais, no ao vivo mandamos bem menos mesmo rs
E por favor me passe o link do seu blog!!!

Bjo